terça-feira, 25 de maio de 2010

DOENÇAS DO TRABALHO SETOR DE FRIGORÍFICOS E AVES


Uma das formas para as empresas avícolas conseguirem aumentar o uso dos meios de produção (espaço físico, equipamentos e mão de obra), é produzir o máximo de horas por dia. Para isso, o trabalho em turnos alternados ou fixos são utilizados, o que possibilita 24 horas de produção por dia. No caso da indústria alimentícia (frangos, suínos, perus e bovinos) essa é uma pratica comum. Nela adota-se mais freqüentemente os turnos fixos.

São muitos os estudos e pesquisas evidenciando os efeitos danosos à saúde dos trabalhadores e os efeitos negativos dessas modalidades de horário de trabalho em suas vidas familiares e social . São conhecidos dos trabalhadores, médicos e pesquisadores os problemas gastrointestinais, psicológicos e de sono causados pelos turnos de trabalho.

Os problemas gastrointestinais (dores e mal estar no estomago e intestinos) devem-se às alterações nos horários trabalho e da seqüência alternada das refeições em horário noturno. Durante a noite o organismo não suporta o mesmo tipo de e quantidade de alimentação ingerida durante o dia. O que acaba causando problemas de inflamação no estomago e do duodeno. Também ocorrem casos de úlcera péptica entre os trabalhadores submetidos a esses regimes de trabalho.

Os problemas emocionais são observados com maior freqüência entre aqueles que trabalham em turnos quando comparados com os que sempre trabalham durante o dia. Foi constatado uma quantidade maior de casos de mal-estar geral, de ansiedade, violência contida e de depressão nos trabalhadores submetidos aos horários de turnos. Veja no quadro ao lado um resumo dos problemas de saúde mais freqüentes que atingem os trabalhadores submetidos aos turnos nas empresas avícolas, suínos e de bovinos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário